Escolas no Japão, qual escolher?

27157679_1815759501769571_959992952_n

Estou de mudança para o Japão, qual a melhor escola para meu filho?

Essa é a pergunta que mais vejo pairando sobre as redes sociais. Espero então que esse texto de hoje, possa contribuir de forma simples e clara com essas e outras dúvidas!

O japão é um país que hoje abriga muitos estrangeiros, principalmente vindos da Ásia, mas tem também latinos, europeus, americanos, etc…  Em cidades grandes é muito comum perceber a diversidade étnica que vem surgindo no país. E apesar do Japão ainda carregar uma cultura milenar de não miscigenação, aos poucos isso está mudando.   Por conta dessa diversidade, é possível encontrar escolas internacionais de diversos lugares do mundo, mas nesse texto vou comentar apenas sobre o sistema de ensino japonês e  duas categorias de ensino internacional; o americano e o brasileiro.  Até porque, não tenho capacidade de opinar sobre outras escolas.

th (1)

Escola Japonesa12774649245_551d7c7756_q

O ensino japonês é dividido em 4 categorias:

Educação Infantil, Yochien ou Hoikuen: No Yochien, o ensino é a partir dos 3 anos de idade você pode matricular seu filho a qualquer momento.  Já no Hoikuen, os pais precisam comprovar que trabalham e aguardar uma vaga.  Tanto no Yochien quanto no Hoikuen,  o ensino é voltado a brincadeiras e convívio social.

Ensino Fundamental 1, ou Shougakko:  Do 1º ao 6º ano.

No shougakkou as crianças têm aulas de Kokugo (japonês), Matemática, Ciências, Estudos Sociais, Artes, Música e Educação Física.  Elas também aprendem a cozinhar, costurar, servem as refeições e faxinam a escola.  No verão também tem aula de natação.  A partir de 2020, o Inglês, que hoje é opcional no shougakko, fará parte da grade curricular japonesa. O sistema de disciplina é bem rígido e a taxa de faltas escolares é de apenas 1%.

Ensino Fundamental 2 ou Chuugakkou: Com duração de 3 anos, assim como no Shougakko, as crianças têm aulas de  Língua Japonesa, Ciências, Estudos Sociais, Matemática, Música, Artes e Educação Física. O ensino de Língua Estrangeira é obrigatório nessa fase.  Além disso as crianças também tem aulas de marcenaria e esportes específicos, de acordo com a escolha do aluno.  Estes contam como atividades complementares que podem ser realizadas aos sábados.

Ensino Médio ou Koukou: não é ensino obrigatório no Japão e apesar disso, estudos dizem que desde 2005, mesmo o ensino não sendo obrigatório, 95% dos alunos que saíram do Fundamental 2 deram continuidade aos estudos.

Para entrar no Koukou, é preciso realizar uma prova.  Essa prova é padronizada para os Colegiais Públicos, e caem matérias de Língua Japonesa, Matemática, Ciências, Estudos Sociais e Inglês.  Se o colegial for particular,  a prova é feita de acordo com os critérios da escola.

Fazer um bom colegial aqui no Japão e ter boas notas são essenciais, pois será isso que determinará o sucesso no ingresso à boas universidades e até mesmo nas entrevistas de empregos locais.

Nota pessoal:É um sistema que funciona bem para os japoneses e  para o Japão.  Porém   a adaptação de crianças que vem de outros países, sobretudo se já estão em idade escolar mais avançada, pode ser complicada.  Por isso é importante que os pais acompanhem e apoiem os filhos nessa fase.

É uma ótima opção para se inserir na cultura se você pretende morar no Japão por muito tempo ou fixar residência.

163658333_3fc467533bEscola Brasileira

Devido ao grande número de brasileiros no país, é possível encontrar diversas opções de escolas e creches brasileiras, principalmente nas regiões onde a concentração da comunidade brasileira é maior.

As escolas brasileira seguem a grade curricular do MEC e algumas tem o ensino da Língua Japonesa avançado.  O ensino é divido em 4 categorias: Educação Infantil, Ensino Fundamental 1 e 2 e o Ensino Médio.  E a maioria das escolas ainda oferecem o serviço de After School.  Assim os pais ficam tranquilos em relação aos filhos enquanto trabalham.  Essa é uma vantagem sobre a escola japonesa,  pois o horário de trabalho dos dekasseguis é superior ao das escolas japonesas.

O valor médio das escolas brasileiras é de 40 mil yenes e você pode matricular seu filho a qualquer momento.

Vantagens:  Para quem chega e não domina o idioma, é uma excelente escolha, visto que seu filho poderá ter um período de adaptação tranquilo.  Afinal, ele estará em ambiente amigável e familiar.  Onde as pessoas falam a mesma língua que ele.

Desvantagens: Infelizmente as escolas brasileiras não preparam a criança para uma transição escolar.  Muitos brasileiros vem com data certa para voltar, porém muitas vezes acabam ficando mais tempo do que deveriam.  E as crianças que permanecem na escola brasileira, correm o risco de não aprender o idioma com fluência a ponto de ingressar no colegial japonês e futuramente em uma universidade.  Se limitando assim aos corredores de fábrica.  Muitas acabam  crescendo sem grandes perspectivas de carreira no Japão.

Nota pessoal:  Acredito que as escolas brasileiras poderiam investir mais no ensino de Língua Japonesa, inserindo o sistema bilíngue, ao qual a criança estuda em português, mas tem aula de Língua Japonesa e Cultura diariamente.  Poderia também aproveitar o After School  para realizar um intercâmbio cultural. Inserindo as crianças no ambiente japonês através de aulas de música, leitura de livros e filmes.  E também investir em professores capacitados para cursos preparatórios de exames de proficiência japonesa.

Claro que isso demandaria um investimento a mais  por parte da escola e dos pais.  Mas já que estamos aqui, porque não investir e dar o melhor aos nossos filhos?

6607220655_b9b8334f2c_qEscola Internacional Americana

Em minhas buscas por escolas internacionais percebi duas coisas:  A escola é voltada para a Elite do país e que isso está mudando! Aos poucos estão surgindo escolas de valores intermediários, que acolhem crianças de qualquer país e realizam trabalhos incríveis de aprendizagem.

A divisão do Ensino é o mesmo que mencionei nas escolas acima, mudando apenas a nomenclatura:

Kindergartner , para Educação Infantil;

Primary ou Elementary School para Ensino Fundamental 1

Primary ou Junior High School para  Ensino Fundamental 2 e,

Secondary ou High School para Ensino Médio.

Essas escolas geralmente seguem o currículo internacioal da Cambridge e o currículo Japonês para o ensino da Língua Japonesa.  Realizando um ensino bilíngue.

Algumas escolas também contam com  sala de apoio de aprendizagem da Língua Inglesa (para quem ainda não domina o idioma), e outra sala de Língua Japonesa, formando turmas de alunos com o mesmo nível de fluência, desenvolvendo assim um aprendizado mais rápido.

Elas também tem o sistema de After School, porém nesse horário são realizadas atividades extra curriculares, que podem ser de desenho, esportes, origami… São diversas opções que a criança pode escolher.

Vantagens:  O aluno que estuda em uma escola internacional, tem a oportunidade de ter um ensino globalizado, fazendo dele um cidadão preparado para estudar ou trabalhar em qualquer lugar do mundo.

Desvantagens:  O investimento é mais alto e não são todas as escolas internacionais que aceitam crianças que não dominam o Inglês.

Nota pessoal:  Essa é uma boa opção para expatriados que estão sempre em rotação, pois quando uma criança é alfabetizada em inglês, as opções de escolas nessa categoria são maiores no mundo todo.

Conclusão:

Independente da sua escolha, uma das coisas que acho mais importante é a participação dos pais na vida escolar dos filhos.  Mostrando que você se importa, seu filho se sentirá seguro onde quer que esteja.

Outro fato que não mencionei, porém de suma importância, é manter o Português como língua de herança.  Por mais que a vida seja corrida, e que seja mais fácil para seu filho se comunicar em outro idioma, manter o Português, dará oportunidades a ele de se reconectar a sua origem, manter contato com familiares distantes, e ainda  no futuro, ter mais oportunidades de trabalho por ser um adulto bilingue!

Anúncios

Autor: Juliana Alves

Pedagoga, casada e mae de 2 filhos lindos, vive uma vida louca de mudanças por causa da carreira do marido. Como uma boa pisciana, sonhadora, distraída e muito comunicativa, decidiu que criaria um novo blog, um canal no youtube e se reinventaria em uma nova profissão! Como ainda está trilhando novos caminhos e traçando metas, ainda não descobriu muito bem qual é a sua. Só uma coisa é certa: ela tem muitas historias pra contar!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s